Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Apucarana > Cultura

Notícias

Cultura

Câmpus realiza 4ª edição do Café Literário, em homenagem ao Prof. Oscar Nakasato
publicado: 17/05/2018 14h59 última modificação: 17/05/2018 14h59

Na noite da última quarta-feira (16/05), o Câmpus Apucarana da UTFPR realizou a 4ª edição de seu tradicional Café Literário. Organizado pelo Departamento Acadêmico de Humanidades, o projeto tem o objetivo de criar um espaço de acesso à literatura nacional e universal através de apresentações, debates e discussões. Uma de suas principais metas é propiciar à comunidade acadêmica um maior acesso a este bem cultural inestimável, a literatura.

A programação dessa edição contou com uma especial homenagem ao professor e escritor Oscar Nakasato, em razão do lançamento de seu segundo romance: “Dois”, e em agradecimento por toda a contribuição prestada ao longo de sua carreira à comunidade acadêmica da Instituição. Dentre as homenagens, houve um momento de leitura e comentário sobre a nova obra do escritor, feita pela professora Leny Zulin, da Academia Norte Paranaense de Letras, além de companheiros de trabalho, amigos e ex-alunos que relataram um pouco de sua experiência ao lado do professor Oscar ao longo dos anos. Também ocorreram apresentações artísticas, entrega de presentes comemorativos ao homenageado e um momento de bate papo do escritor com a imprensa presente.

 

Sobre o homenageado

Oscar Fussato Nakasato, que é neto de imigrantes japoneses, nasceu em 1963, na cidade de Maringá. Seus avós (paternos e maternos) se instalaram em fazendas de café no interior de São Paulo para trabalhar como colonos, na esperança de enriquecer e retornar ao Japão, o mesmo pano de fundo histórico de seu romance. Desfeito o sonho de voltar ao país natal, a família Nakasato migrou para o interior do Paraná, onde adquiriu um sítio. Preocupados com a educação escolar dos filhos, seus pais transferiram-se para Maringá.

Nakasato cursou Direito por dois anos e meio de na Universidade Estadual de Maringá - UEM, e acabou trocando pelo curso de Letras, na mesma Instituição. Fez Mestrado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada, e depois Doutorado em Literatura Brasileira, ambos na Universidade Estadual Paulista, campus de Assis. Hoje é professor de Literatura e Linguagem no Ensino Médio e Superior no Campus Apucarana da UTFPR. É casado e pai de dois filhos, e há 4 anos reside com a família em Apucarana.

Oscar Fussato Nakasato nasceu em Maringá, PR, onde morou até completar 8 anos. Atualmente reside em Apucarana, na Vila Agari, e é professor na Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Graduou-se em Letras na Universidade Estadual de Maringá. É mestre em Teoria da Literatura e Literatura Comparada e doutor em Literatura Brasileira pela Universidade Estadual Paulista.

Em 1999 foi premiado com os contos “Olhos de Peri” e “Alô” no Festival Universitário de Literatura, promovido pela Xerox do Brasil e Editora Cone Sul, que os publicou com outros três num volume que se chamou “Contos”.

Em 2003, foi vencedor do Concurso Literário da Secretaria de Estado da Cultura do Paraná, Prêmio Especial Paraná, com o conto “Menino na árvore”, que também foi publicado com outros contos e poemas premiados no mesmo concurso.

Em 2011, seu romance Nihonjin venceu o Prêmio Benvirá de Literatura e foi publicado pela Editora Saraiva. No mesmo ano, o romance dividiu o Prêmio Bunkyô de Literatura em língua portuguesa com “Contos do Sol Nascente”, de André Kondo, e “Retratos Japoneses no Brasil”, organizado por Marília Kubota.

No ano seguinte, 2012, Nihonjin foi o vencedor da 54ª edição do Prêmio Jabuti, na categoria Romance, um dos prêmios literários mais tradicionais do país concedido pela Câmara Brasileira do Livro (CBL).

 

Sobre o novo romance do autor: “Dois”

Ambientado em Maringá – cidade onde Nakasato nasceu e graduou-se em Letras –, o romance, lançado no dia 23 de novembro de 2017, aborda a rivalidade entre uma dupla de irmãos: Zé Paulo, conservador e metódico, e Zé Eduardo, irrequieto e instável. Enquanto a narrativa coloquial do primeiro revela preconceitos e julgamentos, a do segundo se caracteriza pelas reflexões de uma pessoa que já não se reconhece na própria família.

Zé Paulo vive em Maringá, onde se casa e tem três filhos. Zé Eduardo parte para São Paulo, onde luta contra a ditadura, é perseguido e acaba exilado. Quando retorna ao Brasil, procura o irmão, mas a aproximação é impossível.

Na leitura deste romance, Oscar Nakasato nos leva com a sensibilidade de sua escrita a vivenciar as alegrias e dores das relações familiares.