Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Geral > Divulgação Científica > Ameaça de extinção resulta em portal interativo de anfíbios
conteúdo

Notícias

Ameaça de extinção resulta em portal interativo de anfíbios

Floresta com araucárias

publicado: 17/03/2020 11h32 última modificação: 17/03/2020 11h33
Exibir carrossel de imagens A Limnomedusa macroglossa, uma espécie considerada em perigo de extinção. (Foto: Acervo pessoal)

A Limnomedusa macroglossa, uma espécie considerada em perigo de extinção. (Foto: Acervo pessoal)

Você sabe as diferenças dos anfíbios (sapo, perereca, rã)? Preocupados com as espécies de anfíbios ameaçadas de extinção, um grupo de pesquisadores do Câmpus Francisco Beltrão criou um portal eletrônico com informações sobre os animais encontrados em Florestas com Araucárias. A iniciativa faz parte do trabalho que, há dois anos, é estudado por pesquisadores envolvidos em diversas pesquisas de campo em locais distintos do Paraná e de Santa Catarina. Na página são encontradas informações como hábitos e características de cada espécie, além de jogos interativos sobre os anfíbios.

“Há uma grande necessidade de maior divulgação da importância dos anfíbios nos ecossistemas e algumas espécies estão correndo sérios riscos de extinção”, explica o coordenador do projeto, Rodrigo Lingnau.

Segundo o pesquisador, foi-se montando essa ideia do portal para se fazer uma maior divulgação dos animais, utilizando uma linguagem mais acessível ao público, com entretenimento.

No portal, ao clicar na foto de cada espécie é possível explorar o mapa dos locais onde elas já foram registradas, ver fotos, ouvir seu canto, além de saber das expedições realizadas pelos pesquisadores em busca das espécies ameaçadas de extinção.

Há também jogos com o mascote Rústico (nome dado pela equipe) levando o jogador a interagir com a floresta e pular obstáculos. O teste de conhecimentos ficou por conta da palavra cruzada e dos questionários.

“Estamos vendo por aí crianças, jovens e mesmo adultos divertindo-se jogando o ‘Pula, Rústico’. O Rústico é uma espécie bastante emblemática no nosso projeto, pois a espécie Pithecopus rusticus é conhecida de uma única localidade em campos nativos associados à Floresta com Araucárias, e apesar de diversos esforços antes mesmo do nosso projeto, ainda não conseguimos achar essa espécie em outro local”, explica o professor.

Nos próximos anos, o grupo quer dar continuidade nas expedições de campo, para obter novas informações sobre as espécies ameaçadas. “Um grande desafio para nós é encontrar mais indivíduos do Rústico (Pithecopus rusticus) em outras localidades além das quais ele foi encontrado pela primeira vez, com indivíduos presentes apenas em duas lagoas”, completa. 

Além do coordenador, os trabalhos do portal também foram feitos pelos pesquisadores Luís Felipe Toledo (Unicamp), Elaine Maria Lucas Gonsales (UFSM), Selvino Neckel de Oliveira (UFSC), pela bióloga Eloize Ferreira do Nascimento e pela design Manu Cunhas.

Participaram também os estudantes do mestrado em Engenharia Ambiental: Análise e Tecnologia Ambiental, Emeline da Silva Ceccon, Jéssica de Lara Jeziorny, Jonas Ricardo Toscan; a aluna de iniciação científica, Caroline Thaina Rovani Rodrigues; a aluna do mestrado em Zoologia na UFPR, Camila Moser; as alunas do mestrado em Ciências Ambientais da Unochapeco, Francieli Delazeri e Joana Priscila Boschetti.

O Portal Interativo dos Anfíbios da Floresta com Araucárias foi contemplado pelo edital da Fundação Araucária, através da chamada CP 11/2016.

Espécies do portal

Os anfíbios estão entre o grupo de vertebrados mais ameaçados no mundo. Este projeto aborda sete espécies de anfíbios da Floresta Ombrófila Mista e ecossistemas associados, sendo que seis destas espécies já são oficialmente ameaçadas a nível nacional e/ou estadual. 

As espécies são: Ceratophrys aurita, Crossodactylus schmidti, Cycloramphus diringshofeni, Boana curupi, Boana semiguttata, Limnomedusa macroglossa e a Pithecopus rusticus.

Atualmente, a principal ameaça à conservação de anfíbios é a destruição de seus habitats, seja por desmatamento para atividades agropastoris ou expansão das áreas urbanas.