Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Geral > Divulgação Científica > Casca de pistache e perlita de jardinagem podem adsorver amoxicilina
conteúdo

Notícias

Casca de pistache e perlita de jardinagem podem adsorver amoxicilina

Tratamento de água

publicado: 03/12/2019 09h43 última modificação: 03/12/2019 09h43

Já divulgamos uma pesquisa, a qual, é estudado o poder do estróbilo da araucária em adsorver medicamentos como antidepressivos na água. Agora, outra pesquisadora, desta vez do Câmpus Pato Branco, avalia substâncias que promoveriam a adsorção do antibiótico amoxicilina no meio aquoso.

Os estudos foram apresentados durante a defesa de dissertação da mestranda Bruna Martins Vicentin, do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos (PPGTP) do Câmpus.

O trabalho, orientado pela professora Raquel Dalla Costa da Rocha, identificou a utilização da perlita expandida e da casca de pistache in natura como adsorventes. A perlita é uma rocha mineral bastante usada na jardinagem. Ambos os adsorventes demostraram ser eficientes nos processos de redução da concentração da amoxicilina em solução.

Para a orientadora do trabalho, a pesquisa apresenta uma importante relevância por promover a remoção de antibióticos na água a partir da adsorção. “A vantagem é que este processo possui um baixo custo e uma elevada eficiência", afirma.

A aluna deu início aos estudos ao identificar a presença destes micropoluentes de medicamente no esgoto doméstico, já que estas substâncias não são totalmente metabolizadas pelo corpo humano e acabam eliminadas pela urina.

“O despejo de substâncias antimicrobianas em canais de esgoto de casas, hospitais ou indústrias farmacêuticas, está impulsionando a evolução dos microrganismos e provocando o aparecimento de linhagens mais resistentes”, explica a professora Raquel.

Segundo a orientadora, os dados desta pesquisa poderão contribuir para o tratamento de água e esgoto das cidades e a sua inclusão em futuras legislações. "Continuamos a pesquisa de remoção de fármacos pelo processo de adsorção. Estamos estudando vários fármacos, como antibióticos e anti-inflamatórios em meio aquoso, além de diversos tipos de adsorventes sempre buscando uma melhor eficiência”, finaliza.