Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Geral > Egresso da UTFPR ganha Prêmio Paranaense de Ciência e Tecnologia
conteúdo

Notícias

Egresso da UTFPR ganha Prêmio Paranaense de Ciência e Tecnologia

Campus Toledo

Thiago Reichert foi um dos vencedores na categoria alunos de Graduação
publicado: 04/11/2021 10h17 última modificação: 04/11/2021 10h17
Da esq. para dir., o reitor Marcos Schiefler Filho, o egresso Thiago Reichert, o vice-governador Darci Piana e o superintendente Aldo Bona (Foto: AEN)

Da esq. para dir., o reitor Marcos Schiefler Filho, o egresso Thiago Reichert, o vice-governador Darci Piana e o superintendente Aldo Bona (Foto: AEN)

O egresso do curso de Engenharia Civil do Campus Toledo, Thiago Alessí Reichert, foi um dos vencedores da 34° edição do Prêmio Paranaense de Ciência e Tecnologia, promovido pela Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) do Governo Estadual. A premiação é um reconhecimento pelas pesquisas do então aluno na área de corrosão de concretos. Ele foi o escolhido na área de estudantes de graduação.

Thiago Reichert estudou e avaliou as condições de corrosão de armaduras, induzida pela ação de íons cloretos, como causa de degradação de estruturas de concreto armado em ambiente marinho. As pesquisas são realizadas pelo estudante desde 2018, com orientação do professor Carlos Eduardo Tino Balestra.

O estudante teve cinco artigos publicados em revistas de categorias qualis A1, dois capítulos de livro e dois artigos publicados em congresso internacional. Ele avaliou as ações de modelos de vida útil de concretos baseados em perfis de cloretos.

Para o ambiente marinho, Thiago e os professores orientadores desenvolveram um modelo empírico (da Equação de Holliday Modificada) para modelar as duas zonas dos perfis de concentração de cloretos, apresentando eficiência superior às soluções tradicionais. O modelo proposto foi validado em estruturas sobre degradação natural, em idades avançadas (mais de 40 anos de exposição) e diferentes zonas de agressividade marinha.

Em uma de suas publicações, os pesquisadores analisaram a resistividade elétrica do concreto como metodologia não destrutiva de previsão da vida útil dessas estruturas. Thiago destaca que esse trabalho, avaliado e premiado pela Seti, apresentou uma nova proposta de intervalos e classes de correlação entre a resistividade elétrica e a penetração de cloretos no concreto.

Além disso, a equipe de pesquisa analisou as estruturas localizadas na direção predominante dos ventos e que estavam sujeitas a uma maior deposição de cloretos na superfície do concreto, havendo assim, mais chances de corrosão das armaduras. Uma das análises avaliou que camadas de pintura na superfície do concreto também se mostraram capazes de restringir a deposição de cloretos na superfície, afetando a concentração máxima de cloretos.

Os dez vencedores do prêmio, nas áreas de Engenharias e Ciências Biológicas, receberam R$ 239 mil em premiação. Os trabalhos foram avaliados por uma comissão de especialistas, composta por profissionais e pesquisadores vinculados a universidades e institutos de pesquisa de diferentes estados (exceto o Paraná) e que são referência em suas áreas de atuação. Durante a cerimônia de entrega do prêmio, estavam presentes, além de outras autoridades, o reitor Marcos Schiefler Filho, o vice-governador Darci Piana  e o superintendente da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona.