Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Geral > Mais de 400 servidores da UTFPR participam da Oficina de Design de Cursos
conteúdo

Notícias

Mais de 400 servidores da UTFPR participam da Oficina de Design de Cursos

Capacitação

publicado: 11/11/2019 15h38 última modificação: 14/11/2019 14h42
Exibir carrossel de imagens Oficina de Design de Cursos realizada no dia 7 de novembro de 2019 | foto: Decom

Oficina de Design de Cursos realizada no dia 7 de novembro de 2019 | foto: Decom

Mais de 400 servidores da UTFPR realizaram a Oficina de Design de Curso, promovida pelo Departamento de Educação (Depeduc), da Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional (Prograd), em 2019. “A iniciativa visa fornecer subsídios e ferramentas para viabilizar mudanças e inovações nos cursos”, afirma Luis Mauricio Resende, pró-reitor da área. Segundo ele, trata-se de um método inédito para aprimorar os cursos no âmbito das instituições federais de ensino superior do país.

A capacitação teve início em 2017, a partir da reestruturação dos Departamentos de Educação dos câmpus (Depeds). “A ideia foi modificá-los para que atuem mais junto com os cursos e assim revejam as metodologias, atualizem os conhecimentos e orientem todo o processo pedagógico, auxiliando mais os professores”, explica Neuci Schotten, chefe do Depeduc.

Os profissionais que atuam nos Depeds relatam a experiência como algo positivo. “Antes, era um trabalho mais solitário, apenas dentro do câmpus. Agora, nós temos uma articulação comum, dentro de um projeto integrador da universidade”, conclui Ester Wonsik, do Núcleo de Ensino do Câmpus Campo Mourão. “Depois que me envolvi no processo, percebi que existia um potencial muito grande para o planejamento de uma nova estrutura e para a manutenção da mesma”, afirma Miguel Bernuy, do Deped do Câmpus Cornélio Procópio.

“A nossa natureza, enquanto universidade tecnológica, requer uma aprendizagem mais concentrada para atender as necessidades da sociedade”

Depois dessa etapa, ao longo deste ano, a formação foi estendida para os coordenadores e mais quatro membros dos Núcleos Docentes Estruturantes (NDEs) de 67 cursos de graduação. O objetivo é tornar o currículo mais transparente tanto para o professor quanto para o aluno em um constante diálogo. “É uma oportunidade de formação bastante interessante e agregadora. A oficina nos faz perceber o perfil que queremos dos egressos para contribuir para a sua formação”, relata a professora Juliana Xavier, do Câmpus Apucarana.

A proposta de inovação nos cursos não é obrigatória, mas sim apresenta possibilidades para melhorá-los. Schotten explica: “cada um tem um processo. Tem cursos que decidiram pela reformulação dos currículos e já estão com o projeto bem adiantado. Outros precisam de mais tempo para maturação desses conhecimentos e ainda estão conhecendo melhor a metodologia”.

Com uma carga horária total de 60 horas, as oficinas são ministradas pela especialista do ramo Rosane Nicola, que já trabalha com reestruturação de currículos em uma instituição privada. As atividades foram voltadas para a delimitação de competências, os resultados de aprendizagem e os indicadores de desempenho para trazer mais foco para a graduação. “A nossa natureza, enquanto universidade tecnológica, requer uma aprendizagem mais concentrada para atender as necessidades da sociedade”, esclarece Schotten.

Para a diretora de graduação e educação profissional do Câmpus Toledo, Raquel Moreira, essa vivência permite a reflexão sobre o ensino, evitando a simples repetição de práticas e modelos já existentes. “Embora as notas e os conceitos obtidos sejam bons, ainda temos que melhorar outros índices, como os de aprovação, além de reduzir os de evasão. A gente tem que pensar no processo de formação, principalmente dos educadores, fortalecendo os Depeds e a atuação parceira do pedagogo junto aos professores”, diz.

As próximas oficinas serão disponibilizadas em 2020 para os cursos que manifestarem o interesse em participar. Após essa fase, é feito o design de disciplinas. "Queremos melhorar sempre a metodologia, a avaliação e os instrumentos, principalmente pelo compartilhamento de informações e pelo trabalho colaborativo da rede que se formou", conclui Schotten.

 

Conheça os cursos que fizeram a oficina

Agronomia (Dois Vizinhos, Pato Branco e Santa Helena)
Arquitetura e Urbanismo (Curitiba)
Ciência da Computação (Campo Mourão, Medianeira, Ponta Grossa e Santa Helena)
Ciências Contábeis (Pato Branco)
Design (Curitiba)
Educação Física (Curitiba)
Engenharia Ambiental (Campo Mourão, Francisco Beltrão e Medianeira)
Engenharia Ambiental e Sanitária (Curitiba e Londrina)
Engenharia Civil (Apucarana, Campo Mourão, Curitiba, Guarapuava, Pato Branco e Toledo)
Engenharia de Alimentos (Campo Mourão, Francisco Beltrão e Medianeira)
Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia (Dois Vizinhos, Ponta Grossa e Toledo)
Engenharia de Computação (Apucarana, Cornélio Procópio, Curitiba, Pato Branco e Toledo)
Engenharia de Controle e Automação (Cornélio Procópio e Curitiba)
Engenharia de Produção (Londrina, Medianeira e Ponta Grossa)
Engenharia de Software (Cornélio Procópio e Dois Vizinhos)
Engenharia Elétrica (Apucarana, Cornélio Procópio, Curitiba, Medianeira, Pato Branco e Ponta Grossa)
Engenharia Eletrônica (Campo Mourão, Cornélio Procópio, Curitiba e Toledo)
Engenharia Florestal (Dois Vizinhos)
Engenharia Mecatrônica (Curitiba)
Engenharia Mecânica (Cornélio Procópio, Curitiba, Guarapuava, Londrina, Pato Branco e Ponta Grossa)
Engenharia Química (Apucarana, Campo Mourão. Francisco Beltrão, Londrina e Ponta Grossa)
Engenharia Têxtil (Apucarana)
Química (Curitiba e Pato Branco)
Sistemas de Informação (Curitiba)
Zootecnia (Dois Vizinhos)