Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Geral > Tamo Junto > Bate papo sobre Ciência em bares lota locais participantes
conteúdo

Notícias

Bate papo sobre Ciência em bares lota locais participantes

Pint os Science

publicado: 31/05/2019 10h48 última modificação: 31/05/2019 15h56
Exibir carrossel de imagens Pint of Science em Curitiba - Decom

Pint of Science em Curitiba - Decom

Bares lotados, pessoas sentadas no chão por não possuir mais cadeira disponível, além de mesas instaladas em cima da hora até para fora de estabelecimentos. Este foi o cenário que o evento Pint of Science se caracterizou pelo Brasil todoO projeto leva palestras sobre ciência em bares e caiu mesmo no gosto do público. Com isso, a UTFPR não podia ficar de fora. O evento contou com a participação de três câmpus da instituição com pesquisadores ministrando palestras em bares de Campo Mourão, Curitiba e Ponta Grossa. Neste ano, o festival foi realizado entre os dias 20 e 22 de maio, em 24 países. O Brasil foi o país que mais teve participação, com 87 municípios inscritos.

Em Campo Mourão, a participação da UTFPR teve a presença dos professores Marcelo Galeazzi Caxambu, curador do Herbário do Câmpus, que falou sobre: “O Cerrado de Campo Mourão Foi Serrado?”; do professor dos cursos de Engenharia de Alimentos e Tecnologia de Alimentos, Manuel Salvador Vicente Plata Oviedo, sobre “A Ciência do Gole”; da professora da área de Análise Matemática, Magda Cardoso Mantovani, com o tema “Seria a urna eletrônica uma fraude?”; do professor de Ciência da Computação, Luiz Arthur Feitosa dos Santos, sobre “Cibersegurança x Ciberameaças: até você está seguro”; e do professor de Licenciatura em Química, Marcelo Real Prado, com o tema “Sua Poluição Pode dar Dinheiro?!?”.

“Conheço diversos lugares do mundo e acredito que a conversa de bar seja algo universalmente precioso. Estar com amigos no bar, conversando, contando histórias e partilhando a vida é um dos afetos que marca a vida de muita gente, e o professor também é um contador de histórias”

Representando o Câmpus Curitiba, as palestras foram feitas pela professora do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial, Keiko Verônica Fonseca, sobre “Cidades Inteligentes, legislação nem tanto…”; e pelo professor do Departamento de Física, Arandi Ginane Bezerra Jr., com a palestra “Nanopartículas: um mundo mais precioso do que ouro”.

Em Ponta Grossa, a palestra “Radiação, balística e fonética forense num bate-papo de bar!” foi feita pelo professor do Departamento de Física,  Mário Silva; a “Uma breve introdução à física de buracos negros”, pelo professor de Física, Thiago Gilberto do Prado; o professor de Biotecnologia, Matheus Pereira Postigo, falou sobre “A pergunta mais medíocre de todos os tempos”;  o professor de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia, Eduardo Bittencourt Sydney, sobre “Desmistificando os cogumelos: fungos, zumbis e você!”; e a “A maior invenção de todos os tempos” com o professor do programa de Pós-Graduação de Ensino de Ciência e Tecnologia, Igor de Paiva Affonso.

Arandi Bezerra Jr no Pint of Science em Curitiba - Decom

 Segundo o professor Arandi Bezerra a proposta de realizar uma palestra no bar “é um grande barato”. Para ele, o bar é um lugar de encontro. “Conheço diversos lugares do mundo e acredito que a conversa de bar seja algo universalmente precioso. Estar com amigos no bar, conversando, contando histórias e partilhando a vida é um dos afetos que marca a vida de muita gente, e o professor também é um contador de histórias”, explica. O pesquisador abriu a sua palestra com a frase: “Eu devo dizer que os físicos estão entre as pessoas mais felizes do mundo porque estudam a luz!!!”.

Para a pesquisadora Keiko Fonseca, apresentar exemplos do cotidiano e mostrar como os temas de pesquisa podem ajudar a avançar a ciência é a ideia da sua palestra ao falar do seu projeto. “Minha ideia foi mostrar como exploramos dados da cidade e gerar evidências científicas que podem ser usadas para estabelecer e executar políticas públicas de maneira mais eficiente’, completa.

A duração das palestras é de 30 a 45 minutos, com sessão de perguntas do público ao final. A data do evento para o próximo ano ainda não foi divulgada. Mas a expectativa é que ainda mais pesquisadores participem do projeto nas demais edições.  

Pint of Science em Curitiba - Decom