Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Pato Branco > Pato a Jato
conteúdo

Notícias

Pato a Jato

Equipe é tricampeã na competição Shell Eco-Marathon Brasil 2019 e dona do novo record da américa latina
publicado: 23/09/2019 17h09 última modificação: 24/09/2019 16h04

Entre os dias 16 e 19 de setembro, as equipes de eficiência energética Pato a Jato e Tubarão Branco, da UTFPR, Câmpus Pato Branco, participaram da quarta edição da competição Shell Eco-Marathon Brazil, que aconteceu no Píer Mauá, no Rio de Janeiro (RJ). A edição reuniu 39 equipes de Instituições de Ensino Superior de quatro países da América Latina (Argentina, Brasil, Equador e México).

A competição Shell Eco-marathon desafia estudantes de todo o mundo a projetarem, construírem e pilotarem veículos mais eficientes em termos de energia. A competição tem como objetivo incentivar o debate sobre o futuro da energia e o desenvolvimento de novas soluções para a mobilidade urbana. O evento é composto por quatro dias destinados para os participantes aperfeiçoarem seus veículos, passar na inspeção técnica e, finalmente, testar seus protótipos na pista, a fim de obter marcas válidas para entrar na disputa pelo primeiro lugar nas categorias Gasolina, Etanol e Bateria elétrica.

Pelo terceiro ano consecutivo, a equipe Pato a Jato conquistou o título de campeã na categoria etanol. Com a média alcançada nesta edição, de 702,4 km/l, superou a própria marca na competição brasileira e se tornou o novo record da América Latina. Os resultados das edições anteriores conquistadas com o protótipo Popygua 4.0, foram com 412.4 km/l (2017) e 443.7 km/l (2018).

A equipe Pato a Jato é composta por 29 acadêmicos dos cursos de Administração, Engenharia Mecânica, Engenharia Elétrica e Engenharia Civil, Engenharia de Computação e Ciências Contábeis, da UTFPR, Câmpus Pato Branco. Há 10 anos vem se consolidando como referência no cenário nacional e internacional, tendo atualmente os melhores resultados latino americanos na categoria.

Os integrantes da equipe atribuem o êxito obtido “em decorrência de muito trabalho em grupo, dedicação e profissionalismo”. Para eles “estes itens são referências que vêm sendo seguidas dentro da Pato a Jato há muitos anos. São heranças que vêm de membros anteriores e aprimoradas com o passar de gerações, visto que a Pato a Jato está fazendo 10 anos de existência”, destacaram os integrantes.

A equipe trabalhou no desenvolvimento e testes do protótipo desde o início da temporada (após o final da Shell Eco-Marathon Americas) e destacam que entre os trabalhos desenvolvidos, “conseguiram alcançar melhorias de projetos já aplicados e novos desenvolvidos pelos atuais membros, além de melhorias de gerenciamento e administração”.

Ao mencionar sobre os preparativos e desafios encontrados a equipe declarou que “foi preparada tanto fisicamente quando psicologicamente para extrair o melhor que poderia entregar durante os quatro dias. Porém, todos estamos suscetíveis a imprevistos, e conosco não foi diferente. Imprevistos aconteceram ao longo da competição como a mudança do trajeto da pista, sendo resolvidos pelos membros da estrutura ao longo do segundo dia de competição com os devidos ajustes em nossa direção e carenagem”, relataram os acadêmicos. “Conseguimos ser uma das primeiras a serem aprovadas na inspeção técnica, permitindo assim realizar testes e baterias válidas”, complementaram. As baterias foram de 7 voltas na pista com um tempo máximo de 20 minutos, após cada bateria a equipe da Shell analisava quanto o carro havia consumido de combustível e feito uma média.

A Equipe destacou, também, que “ao longo da competição diversas equipes se reuniram para trocarem dicas como melhorias em seus projetos, ponto importantes para obter resultados positivos e até mesmo quais cuidados devem tomar ao longo da competição. A Pato a Jato se fez presente em momentos como estes, não só para se disponibilizar para ajudar, mas também para aprender com as outras equipes”, relataram.

Atualmente, a Equipe Pato a Jato está sob a coordenação dos professores do departamento acadêmico de Mecânica (DAMEC), Bruno Bellini Medeiros e Luiz Carlos Martinelli Junior.

Os trabalhos desenvolvidos durante o ano possibilitaram um aumento de aproximadamente 58% na eficiência do protótipo em relação a 2018 e esta edição nacional possibilitou à Equipe vencer novos desafios com uma pista mais desafiadora. Para o professor Martinelli, que acompanhou a equipe, a conquista do tricampeonato “é resultado de dedicação, organização, comprometimento e trabalho em equipe”, destacou. “A Pato a Jato hoje é reconhecida pelas demais equipes como exemplo de organização e inovação. Foi gratificante ver a UTFPR representada com 06 equipes de 04 Câmpus diferentes (Cornélio Procópio, Guarapuava, Medianeira e Pato Branco). Foi a maior delegação de uma Universidade no País”, complementou.

A equipe tricampeã recebeu como prêmio um boarding pass de R$ 20 mil para aquisição de passagens aéreas para a Eco-Marathon América em 2020, que ocorrerá de 01 a 04 de abril, em Sonoma, Califórnia (EUA).

Nesta quarta-feira, dia 25, às 18 horas, a Equipe Pato a Jato realizará uma palestra no anfiteatro do Câmpus, para apresentação do projeto e das experiências obtidas na última competição, bem como prestar informações relacionadas ao edital de renovação da Equipe, que está com inscrições abertas.

O projeto de eficiência energética da Equipe Pato a Jato conta com o apoio e parceria das seguintes empresas e órgãos: InjePro Tecnologia Automotiva, Prefeitura Municipal de Pato Branco, Ônix Tintas, Excellent Global Idiomas, Outdoor Publicidade, WD-40, Pneustore, Aiqfome, Ciser, 3D Panazzaolo, Digimess Instrumentos de Precisão e Solidworks.

Tubarão Branco

A Equipe Tubarão Branco competiu com um protótipo na categoria bateria elétrica, que tem como objetivo percorrer a maior distância possível consumindo a menor quantidade de energia provida pela bateria. A equipe foi aprovada pelas inspeções técnicas e de segurança e, assim, teve acesso à pista. Contudo, durante a volta teste, o protótipo enfrentou problemas técnicos que não puderam ser resolvidos em tempo hábil e não conseguiu completar uma tentativa válida.

Para o capitão da Equipe, Haldem Victor Demko Alves,  “a participação na competição foi de extrema importância para a equipe que vem tentando se consolidar, pois trouxe muito aprendizado para os membros. Além disso, proporcionou diversas experiências que contribuem para o desenvolvimento de uma ampla visão da engenharia para os acadêmicos, devido ao contato com equipes de toda América Latina”, declarou.

O técnico de laboratório, do departamento acadêmico de Elétrica (DAELE), Célio Antônio Degaraes, acompanhou a equipe Tubarão Branco na competição.

Equipe Tubarão Branco