Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Reitoria > Lançado aplicativo com informações acadêmicas

Notícias

Lançado aplicativo com informações acadêmicas

UTFPR Mobile

publicado: 06/04/2018 11h20 última modificação: 11/04/2018 10h17
Aplicativo UTFPR Mobile disponibiliza informações acadêmicas (Imagem: Freepik)

Aplicativo UTFPR Mobile disponibiliza informações acadêmicas (Imagem: Freepik)

Foi lançado nesta sexta-feira (6) o aplicativo UTFPR Mobile, que facilita o acesso a informações acadêmicas por dispositivos móveis. A plataforma está disponível para instalação nos sistemas operacionais Android e IOS.

Entre os dados disponibilizados, estão o boletim, os horários das aulas, o histórico acadêmico, a matriz curricular, o cardápio do restaurante universitário e o relatório de refeições consumidas, as notícias e os contatos dos câmpus.

O protótipo foi uma iniciativa dos professores Leandro de Almeida, Robison Brito e Rogério Ranthum, junto com os alunos Reinaldo Fernandes e Luiz Felipe Silva, dos Câmpus Dois Vizinhos e Ponta Grossa. Por se tratar de uma ferramenta importante para o dia a dia dos estudantes, a UTFPR decidiu institucionalizar o projeto.

Para isso, a Diretoria de Gestão de Comunicação (Dircom) da UTFPR deu continuidade ao desenvolvimento, com a coordenação de Ranthum, junto aos discentes Bruno Marins e Paulo da Silva, do Câmpus Ponta Grossa. “Buscamos criar um aplicativo que pudesse atender todos os quesitos de segurança e realizar a atualização imediata dos dados diretamente do sistema acadêmico. O objetivo é que os alunos tenham acesso à informação de forma rápida e na palma da mão”, afirma Ranthum.

Também foram envolvidos no projeto a egressa Izadora de Arruda, para o design das telas, e a Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação (DIRGTI), para a viabilidade técnica da ferramenta e a criação dos próprios serviços de disponibilização das informações, tornando-as viáveis de maneira segura e em tempo real. "Esse é o grande diferencial em relação aos demais apps disponibilizados pelos alunos, que buscam formas pouco confiáveis para construir uma base de dados local, mantida fora do ambiente institucional, com dados e serviços não homologados pela DIRGTI", destaca Rosane Putz, diretora de Gestão de Tecnologia da Informação da Universidade.