Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Reitoria > UTFPR participa de programa de recuperação urbana em Curitiba

Notícias

UTFPR participa de programa de recuperação urbana em Curitiba

Rosto da Cidade

publicado: 22/11/2018 12h32 última modificação: 23/11/2018 11h59
Prefeito de Curitiba, Rafael Greca, e a vice-reitora da UTFPR, Vanessa Ishikawa Rasoto, durante o lançamento do Programa Rosto da Cidade (Foto: Cesar Brustolin/SMCS)

Prefeito de Curitiba, Rafael Greca, e a vice-reitora da UTFPR, Vanessa Ishikawa Rasoto, durante o lançamento do Programa Rosto da Cidade (Foto: Cesar Brustolin/SMCS)

A vice-reitora da UTFPR, Vanessa Ishikawa Rasoto, assinou na última terça-feira (20) o protocolo que formaliza o trabalho conjunto desenvolvido pela Universidade e Prefeitura de Curitiba no programa de recuperação de construções e monumentos históricos da região central da Cidade.

Segundo o Executivo local, o programa é uma ação de resgate da identidade e da história curitibanas. Ele prevê uma ação integrada entre o poder público municipal e a sociedade organizada para a revitalização de uma área de 2 quilômetros quadrados do centro tradicional.

Os dados dos prédios históricos poderão ser acessados por smartphones com aplicativos de leitura de QR Code. A identificação dos edifícios faz parte do Projeto Arquivo, desenvolvido pelo Grupo de Pesquisa Arquitetura, Prospecção e Memória da UTFPR.

"Eventos como este fazem com que a gente consiga alcançar novos patamares aos quais nos propusemos. Significa alcançar a excelência na pesquisa, na gestão, na academia, mas, principalmente estar junto com a comunidade. Este projeto é uma tríplice aliança do poder público municipal e da comunidade e o setor produtivo com a universidade", disse Vanessa durante a assinatura do acordo. A vice-reitora estava acompanhada da professora Giceli Portela, coordenadora do Projeto Arquivo.

Para o prefeito Rafael Greca, o programa é um investimento em geração de empregos e renda através do turismo, mas também na preservação cultural de Curitiba. "Não adianta termos monumentos históricos tratados como rebotalho e não são preservados, nem conservados", destaca. 

  

*Com informações da Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Curitiba