Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Geral > Aluna cria ferramenta que calcula cenário de carbono zero até 2050
conteúdo

Notícias

Aluna cria ferramenta que calcula cenário de carbono zero até 2050

Setor Automotivo

As simulações foram feitas durante estágio em uma das maiores montadoras do País
publicado: 25/05/2022 09h45 última modificação: 25/05/2022 09h45
Foto: Freepik

Foto: Freepik

A aluna do curso de Engenharia de Controle e Automação do Campus Curitiba, Caroline Zanata Pereira, criou uma ferramenta, a qual faz simulações de possíveis cenários entre tecnologias, frota e combustíveis, para que se possa atingir a neutralidade de carbono no ano de 2050 pela indústria automotiva.

O Brasil se comprometeu a diminuir em 50% as emissões de carbono até 2030, em ao ano de 2005. Além disso, o país afirmou a meta de alcançar a neutralidade de carbono até 2050, durante a última Conferência das Nações Unidas de Mudanças Climáticas (COP26), em novembro do ano passado.

Para isso, o país precisa investir em três pilares: novas tecnologias, passivo de frota circulante e o uso de biocombustíveis.

Segundo o artigo da aluna Caroline Zanata, a indústria automotiva possui um papel muito importante na contribuição com o efeito estufa. “As emissões dos transportes no Brasil representam uma parcela de 9,03% da emissão total”.

Ela estudou o caminho para a neutralização de carbono na área automotiva com as emissões de CO2, o conceito do poço à roda e o impacto da frota circulante.

Para fazer as previsões, ela criou então uma ferramenta que simula cenários entre tecnologias, frota e combustíveis para as metas serem atingidas. A ferramenta integra os cálculos, o qual o usuário pode acessar e preencher parâmetros de combustíveis, frota e tecnologia e ela propõe cenários para a neutralização do carbono por meio de um gráfico que contém informações de 2020 até 2050.

Segundo o artigo ‘Análise da neutralidade de carbono do poço-à-roda no setor automotivo brasileiro”, feito pela estudante com participação de outros autores como Damiam Moretti, Edvam Palioto, Gabirel Nicheli Sampaio e Murilo Artur Ortolan, a ferramenta foi utilizada nestes estudos.

Poço à roda (ou Well-to-Wheel (WtW) em inglês), significa medir emissões de CO2 desde a obtenção do combustível (em sua forma bruta), transporte e refino até a combustão nos motores e escapamento do veículo. É o chamado ciclo de vida fechado.

 “Assim, garantimos que serão consideradas todas as emissões de CO2, desde a produção do combustível até a saída dos gases no escapamento do veículo”, explica.

Dentre os cenários de referências analisados no artigo, o mais promissor para a continuação do estudo foi o cenário que utiliza a gasolina E85, sem o uso de etanol hidratado (0% de E100), com uma taxa de eletrificação de frota e limitação de circulação de carros maiores que 20 anos de idade. A partir disto, simulamos também os efeitos do aumento no uso do etanol 2G (com menor intensidade de carbono) para redução de CO2.

“Neste caso, o Etanol Anidro 2G é misturado junto ao Etanol Anidro 1G na formulação da gasolina E85.  Quanto a eletrificação da frota, as vendas dos carros elétricos são progressivas e começam hipoteticamente a partir de 2025. Neste caso, chegando a uma frota “eletrificada” de 60% em 2050, a neutralidade de carbono é atingida”, detalha no documento. 

Neutralidade do carbono

A neutralidade de carbono é quando se emite a mesma quantidade de CO2 na atmosfera que aquela que se retira por diferentes vias, o que deixa um balanço zero, também denominado pegada de carbono zero. É uma compensação de carbono na atmosfera, ou seja, são maneiras para compensar o carbono que emitimos com o que retiramos ou capturamos. 

É importante entender que a neutralização de carbono não é a proibição de emissão de CO2, aliás, é muito difícil hoje em dia não emitir CO2 onde a maioria das atividades industriais são derivadas de alguma queima de combustível fóssil, até mesmo para a geração de energia elétrica.