Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Geral > Divulgação Científica > Pesquisadora está em grupo da Nasa para estudar ventos solares
conteúdo

Notícias

Pesquisadora está em grupo da Nasa para estudar ventos solares

Ponta Grossa

Ela faz parte do grupo que analisa informações da Sonda Parker Solar Probe
publicado: 19/07/2021 10h15 última modificação: 19/07/2021 10h15
Sonda Parker Solar Probe (Foto: NASA - Johns_Hopkins_APL_Steve_Gribben)

Sonda Parker Solar Probe (Foto: NASA - Johns_Hopkins_APL_Steve_Gribben)

Estudar o comportamento dos ventos solares na atmosfera da Terra faz parte dos estudos da pesquisadora do Campus Ponta Grossa, Marcela Scoczynski. Ela foi selecionada para participar do programa da Nasa, o qual propõe desafios para que pesquisadores ao redor do mundo ajudem a analisar e identificar. A professora faz parte do grupo multi-disciplinar que está estudando as informações da Sonda Parker Solar Probe.

“Em 2018, a NASA lançou a Parke Solar Probe com o objetivo de estudar a nossa estrela mais de perto, coletando dados importantes. No final de abril, por exemplo, a espaçonave “tocou” a atmosfera mais externa do Sol e quebrou seu próprio recorde de distância e velocidade. Assim, com estes dados, é possível analisar a influência e dos ventos solares na atmosfera da Terra’, explica Marcela.

Segundo a pesquisadora, a ideia é aplicar inteligência artificial para resolver diversos desafios. “Minha colaboração no projeto está relacionada com a implementação de técnicas computacionais capazes de analisar estes dados provenientes da Parker Solar Probe e criar mecanismos de identificação das principais características do vento solar, a fim de analisar seu potencial impacto na Terra, bem com contribuir para o estudo da origem do Universo”.

Dentre as influências que os ventos solares apresentam na atmosfera, conforme explica a professora, estão a radiação - altamente prejudicial à vida dos astronautas; danos em satélites e espaçonaves; impactos na rede de energia elétrica, de GPS e em sistemas de navegação.

O projeto terá a duração de nove semanas e é conduzido pelo Frontier Development Lab (FDL), NASA e o Instituto de pesquisa norte-americano SETI Institute. Reúne cientistas, astrofísicos, parceiros comerciais (como Google Cloud, IBM, Intel e NVIDIA) e pesquisadores de várias instituições como a Southwest Research Institute (EUA), a Universidade da Califórnia (EUA), a Universidade de Vienna (Áustria) e a Universidade de Oxford (Reino Unido).

A professora conta que aceitou participar do desafio pelo grande impacto científico que isto pode representar para a sociedade. “Principalmente para o desenvolvimento da pesquisa na área da Inteligência Artificial no país, e também por poder elevar a ciência brasileira aos mesmos patamares de instituições internacionais”, completa Marcella.

Parker Solar Probe
Projetada, construída e operada pelo Laboratório de Física Aplicada Johns Hopkins (APL), em Maryland (EUA), a Parker Solar Probe completou quase uma dezena de encontro solares, quebrando seus próprios recordes de velocidade e proximidade com o sol.

Segundo informações da NASA, os artigos mais recentes incluem análise de dados que demonstram ziguezagues magnéticos descobertos pela primeira vez, o papel das ondas no aquecimento do plasma solar, o momento angular solar, o ambiente de poeira próximo ao Sol e a diversidade de eventos de pequenas partículas energéticas.