Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Pato Branco > Desenvolvimento Regional
conteúdo

Notícias

Desenvolvimento Regional

UTFPR apresentou Relatório Final de Pesquisa ‘’Pato Branco’’ - Cidade Amiga do Idoso: diagnóstico para o envelhecimento de seus cidadãos
publicado: 18/07/2019 12h09 última modificação: 03/11/2022 17h38

O Município de Pato Branco, certificado na “Rede Global de Cidades e Comunidades Amigas dos Idosos/OMS”, na manhã da última sexta-feira, 12 de julho, em solenidade realizada no anfiteatro, da UTFPR - Campus Pato Branco, deu mais um importante passo na concretização do plano de ações voltado à qualidade de vida da pessoa idosa: a apresentação do Relatório Final de Pesquisa ‘’Pato Branco’’ - Cidade Amiga do Idoso: diagnóstico para o envelhecimento de seus cidadãos.

A solenidade reuniu autoridades locais e regionais e um público expressivo de pessoas idosas que prestigiaram o evento, além se servidores e acadêmicos. 

A mesa diretiva da solenidade foi presidida pelo reitor da UTFPR, professor Luiz Alberto Pilatti, e composta pelas seguintes autoridades: professor Idemir Citadin, Diretor-Geral, do Campus Pato Branco; senhor Robson Cantu, vice-prefeito municipal de Pato Branco; senhora Jovelina Chaves, representante da deputada federal, Leandre Dal Ponte; professor Aldo Nelson Bona, superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná; professor Neimar Follmann, diretor de Relações Empresariais e Comunitárias do Campus; doutora Haydée Padilla, representante da OMS/OPAS; senhora Anne Cristine Gomes da Silva Cavali, secretária municipal de Assistência Social; senhora Carmem Oening, representante do Conselho Municipal dos Direitos dos Idosos; senhor Ivan Orlandini, representante da Comissão Rotária; professor Aruanã Antônio dos Passos, representante da Equipe de Pesquisa da UTFPR; senhor Arcedino de Fraga, representante das Pessoas Idosas que participaram da Pesquisa; senhor Cesar Colini, representante do Sebrae – Gerente Regional Sul.

De volta a Pato Branco, a coordenadora da Unidade de Família, Gênero e Curso de Vida da OPAS/OMS no Brasil, doutora Haydee Padilla, destacou aspectos da hospitalidade patobranquense, mencionou indicadores relacionados ao envelhecimento da população e o empenho do poder público, da universidade e das parcerias firmadas, em conduzir de forma tão eficiente e ágil a iniciativa e ações em torno do projeto Pato Branco Cidade Amiga do Idoso. “A Universidade é fundamental, porque se não temos dados que nos digam onde orientar os recursos que evidenciem ou o que precisa a nossa população, qualquer caminho é bom”, afirmou. Ela focou seu pronunciamento em destacar que agora, com os dados e onde orientar os recursos o trabalho tem um norte “todos sabemos que os recursos serão poucos, mas bem utilizados serão imensos”, pontuou. A coordenadora anunciou, ainda, que o trabalho realizado será adotado como referência para outras cidades País afora. “Pato Branco é e será modelo para a OPA/OMS. Já fizemos um documento normativo nacional e esse documento foi elaborado com base na sistematização que aconteceu aqui e será socializado como modelo a todo o Brasil”, destacou a representante da OMS.

Em seu pronunciamento, o reitor Luiz Alberto Pilatti, falou da importância da universidade e seu papel no cenário em relação ao futuro, especialmente com ações como essa, voltadas à população idosa. “A universidade é fundamental para que o Brasil tenha futuro, e a universidade vive um momento difícil na história. Hoje nós vivemos um momento em que o futuro se desenha, e eu gostaria de dizer a cada um dos senhores que, eu acredito no Brasil, eu acredito no Brasil por estar em uma cidade como Pato Branco e pela sensibilidade em tornar essa cidade como amiga do idoso”, declarou. “Hoje, no Brasil, 95% do conhecimento é produzido por universidades públicas e a produção desse conhecimento é necessária para ações que levem e reflitam a qualidade de vida da nossa população. A universidade só tem sentido se ela altera a qualidade de vida da população regional e tem um alcance internacional”, pontuou o reitor. Na oportunidade, Pilatti externou cumprimentos à professora Maria de Lourdes e à toda a equipe. “Encontrei na professora Maria de Lourdes alguém encantada com aquilo que faz. Professora, fiz questão de estar aqui! Obrigada pelo trabalho que a senhora faz pela sociedade brasileira!”, finalizou.

Prof. Dr. Aruanã Antonio dos Passos

Doutora Haydee Padilla

Reitor Luiz Alberto Pilatti

A Pesquisa

A pesquisa foi desenvolvida por uma equipe interdisciplinar e interinstitucional, composta por cerca de 75 pessoas, sendo professores, técnico-administrativos, alunos de graduação (Departamento de Humanas, Departamento de Educação, Núcleo de Acompanhamento Psicopedagógico e Assistência Estudantil, Cursos de Administração, Ciências Contábeis, Licenciatura em Letras, Matemática e Química) e de pós-graduação (Programas de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional (PPGDR), em Engenharia de Produção (PPGPS), e em Letras (PPGL)), da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus Pato Branco, professores e alunos dos de Curso de Fisioterapia, Enfermagem, Psicologia e Pedagogia, da Faculdade de Pato Branco (FADEP), além de participantes da Comissão Rotária de Pato Branco, Interact Club, Pastoral da Pessoa Idosa e Sebrae.

A apresentação dos resultados foi realizada pela doutoranda do PPGDR, Suelyn Maria Longhi de Oliveira.

A pesquisa científica, aprovada no Comitê de Ética da Instituição, objetivou levantar as principais necessidades e sugestões da população idosa no município, em relação a seu bem-estar e caracterizou-se como de campo exploratória, com abordagem quali-quantitativa.

Foram entrevistadas 948 pessoas, sendo 593 na pesquisa quantitativa e 355 para a qualitativa. Os entrevistados estão inseridos nas associações Pato-branquense de Idosos (APIs) dos bairros, São Cristovão, São Luiz, Planalto, Bonatto, Cristo Rei, Novo Horizonte, São Roque do Chopim, Centro Dia, Centro Unificado de Artes e Esportes de Pato Branco – CEU das Artes ,Conselho Municipal dos Direitos do Idoso Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) São João,  Centro de Referência da Assistência Social (CRAS)  Sudoeste, Grupo Vida Plena – Comunidade Cristã, Lar dos Idosos São Vicente de Paulo, Pastoral da Pessoa Idosa, Universidade Aberta para a Terceira Idade (UNATI - Fadep), UNIMED, Unidade Básica de Saúde (UBS): Fazenda da Barra, Independência e Passo da Ilha.

A população alvo foi composta por pessoas idosas, com idade igual ou superior a 60 anos e, por cuidadores de pessoas idosas, vinculados a entidades públicas e privadas destinadas ao atendimento dessa população, por responsáveis por serviços de atendimentos a idosos e por profissionais que atuam em órgãos municipais públicos. 

A coleta de dados foi realizada em entidades que atendem pessoas idosas e em órgãos públicos, no município de Pato Branco-PR, mediante visitas agendadas com os seus responsáveis.

Para a coleta de dados foram utilizados três instrumentos: questionário estruturado e roteiro de discussão de grupo focal – adaptados do Protocolo de Vancouver, adotado pela Organização Mundial de Saúde – e entrevista em profundidade.

Para o tratamento estatístico dos dados quantitativos utilizou-se da estatística descritiva, tabulação de dados e tratamento dos dados pelo software PowerBI e para a análise dos dados, obtidos por meio dos grupos focais, foi utilizado o método da Análise de Conteúdo (BARDIN, 2016).

Os resultados demonstram que o perfil sócio demográfico da população estudada quanto à escolaridade: a maior porcentagem possui Ensino Fundamental, está entre 65 a 75 anos de idade, ganha de 2 a 5 salários mínimos. Quanto ao questionário, dentre os nove eixos abordados, Apoio Comunitário e Serviços de Saúde (eixo 4) foi considerado pela população estudada como o mais importante, seguido por: Espaços Exteriores e Edifícios (eixo 2), Habitação e Moradia (eixo 1), Transportes (eixo 3), Respeito e Inclusão Social (eixo 5), Protagonismo Local (eixo 9), Comunicação e Informação (eixo 7), Participação Cívica e Emprego (eixo 6) e Oportunidades de Aprendizagem (eixo 8).

A coordenadora geral da Pesquisa, professora Maria de Lourdes Bernartt, destaca que “a pesquisa-diagnóstica ocorreu após a certificação do município na Rede Global de Cidades e Comunidades Amigas dos Idosos/OMS, porque, assim foi recomendada pela OPAS/OMS, uma vez que Pato Branco já apresentava à época condições estruturais e políticas públicas voltadas às pessoas idosas, o que lhe conferiu, pois, a referida certificação”.

Segundo a professora, “pela robustez e densidade desta pesquisa, pode-se dizer que foi realizada e analisada com celeridade, pois os dados foram coletados de agosto a dezembro de 2018 e a análise de fevereiro a junho de 2019, e, no momento, o relatório final”. E, acrescentou a pesquisadora, “ademais, gostaria que ficasse explícito, a pesquisa foi realizada gratuitamente, sem ônus para os parceiros que a demandaram. Todas as pessoas que se envolveram na coleta de dados, quali-quantitativos, desde o momento do planejamento e/ou no decorrer da mesma, fizeram-no em meio a inúmeras atividades de seus que-fazeres, e fizeram-no, por amor, carinho e respeito às pessoas idosas de nosso município”, complementou.

Na avaliação da professora, “os resultados da pesquisa cumprem o propósito estabelecido inicialmente, qual seja, o de realizar um diagnóstico sobre necessidades e condições materiais de vida da população idosa do município de Pato Branco (PR). Estes resultados poderão proporcionar benefícios sociais, a curto prazo, mediante a devolutiva do diagnóstico final, no qual a população idosa e demais participantes, através das suas experiências, manifestaram suas opiniões e percepções sobre a qualidade dos serviços oferecidos pelo município, com base em eixos do Guia Global/OMS (OMS, 2008), contribuindo como ferramenta para subsidiar os gestores municipais na avaliação de adequações a serem realizadas no município para a melhoria da qualidade de vida, fornecendo elementos essenciais a serem considerados para adaptar ações e políticas direcionadas à população idosa”.

Os resultados da pesquisa cumprem o objetivo principal, qual seja: o de realizar um diagnóstico sobre necessidades e condições materiais de vida da população idosa do município de Pato Branco-PR, em relação a nove eixos: 1) Espaços abertos e prédios; 2) Transporte; Moradia; 3) Participação social; 4) Respeito e inclusão social; 5) Participação cívica e emprego; 6) Comunicação e informação; 7) Apoio comunitário e serviços de saúde; 8) Oportunidades de aprendizagem; e, 9) Protagonismo local. Os resultados poderão proporcionar benefícios sociais, a curto prazo, mediante a devolutiva do diagnóstico final, no qual a população idosa e demais participantes, através das suas experiências, manifestaram suas opiniões e percepções sobre  a qualidade dos serviços oferecidos pelo município, com base nos eixos do Guia Global/OMS (OMS, 2008), contribuindo como ferramenta para subsidiar os gestores municipais na avaliação de adequações a serem realizadas no município para a melhoria da qualidade de vida, fornecendo elementos essenciais a serem considerados para adaptar ações e políticas direcionadas à população idosa.

A certificação

A certificação do Município de Pato Branco na Rede Global de Cidades e Comunidades Amigas dos Idosos/OMS se deu no dia 19 de junho de 2018. O título entregue pela Organização Panamericana da Saúde (OPAS) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) se configurou como uma conquista inédita no Paraná, resultado de um plano de ações voltado à qualidade de vida da pessoa idosa, por meio de ações desenvolvidas e articulação intersetorial que foi fundamental para o engajamento de todos os parceiros envolvidos, a saber: Secretaria Municipal de Assistência Social, Conselho Municipal dos Direitos dos Idosos, Comissão Rotária e Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) – Campus Pato Branco. O processo foi idealizado e mediado pela deputada federal, Leandre Dal Ponte. 

Destaca-se que Pato Branco é a primeira cidade no Paraná e apenas três outras cidades já receberam a certificação anteriormente, no Brasil: Porto Alegre, Veranópolis, e Esteio, no Rio Grande do Sul (RS).